Estatísticas do e-commerce


Por Redação do LojistaOnline – Abnor Gondim

Nem a crise econômica internacional conseguiu arranhar o bom desempenho do comércio eletrônico no Brasil, que aumentou 30% em 2008.

Apesar da crise financeira, o comércio eletrônico pela Internet no Brasil fechou o ano de 2008 com um crescimento de 30%, faturando um total de R$8,2 bilhões, segundo dados da e-bit, empresa especializada no setor. O Natal, novamente, foi o período mais lucrativo, registrando vendas de R$ 1,25 bilhões.

E se 2008 foi bom, a perspectiva do para 2009, apesar da crise, também é positiva. O comércio pela internet deve alcançar a marca inédita de dois dígitos de bilhão de faturamento, crescendo nominalmente entre 20% e 25% em relação a 2008, alcançando, pelo menos, R$ 10 bilhões no final de 2009.

Para efeito de comparação,os norte-americanos gastaram U$ 39 bilhões no Natal, de acordo com uma pesquisa da Jupiter Research. Cerca de 136 milhões de pessoas nos EUA compraram na web até o final de dezembro, mas o aumento foi de apenas 7% em relação à temporada do ano passado.

De acordo com a pesquisa da e-bit, no Brasil, os artigos preferidos pelos internautas são: Livros, CDs e DVDs – 47,7%; • Eletroeletrônicos – 32,7%; Informática – 27,6%; Telefonia e Celulares – 20,6%. Mas é cada mais amplo o leque de opções de produtos e serviços que podem ser adquiridos com o teclar dos dedos.

Evolução do Varejo Online – Pesquisa e-Bit

Faturamento Anual do Varejo em Bilhões

Fonte Fonte eBit – Compilação www.lojistaonline.com.br
Não estamos considerando as vendas de automóveis,passagens aéreas e leilões on-line.

Espaço para crescer

Em comparação com os Estados Unidos, nota-se que o E-commerce no Brasil tem muito espaço ainda para crescer. Tanto para grandes, médias, pequenas e micro empresas quanto para profissionais liberais e autônomos.

Contribuem para o aquecimento do E-commerce:

  • as políticas de crédito e parcelamento que se intensificam nessa época do ano, em até 12 vezes no cartão, enquanto no varejo é de no máximo seis vezes;
  • as medidas de inclusão digital adotadas nos últimos quatro anos pelo governo federal, que colocou no mundo virtual cerca de 6 milhões de pessoas da Classe C.

Como resultado, o Brasil já conta hoje com 50 milhões de internautas:

Quantidade de pessoas conectadas a Web no Brasil

Compilado por www.e-commerce.org.br / fonte: pesquisas diversas / população: variações anuais estimadas. / Internautas refere-se a quantidade de pessoas que tem acesso à Internet nas residências, no trabalho ou locais públicos.

Recorde em navegação

Assim, estar com uma vitrine na web tornou-se uma obrigação para vender mais. Vale destacar que o Brasil se mantém com maior tempo médio de navegação residencial do planeta. Ou seja, o internauta brasileiro passa quase um dia na rede por mês, um recorde de tempo de navegação no planeta, à frente de Estados Unidos, Japão, Alemanha e Austrália,

Os líderes

No Brasil, sozinho o grupo B2W (união das empresas Submarino e Americanas.com) fatura cerca de R$ 500 milhões por mês, 54% de todo o faturamento de varejo on-line no Brasil, deixando os concorrentes a perder de vista.

Ao contrário do Brasil, nos EUA, por exemplo, a Amazon, o maior e-commerce do mundo, detêm menos de 10% do mercado americano.

Mas, para o consumidor online, o tamanho da empresa no varejo físico tem pouca relevância no momento da escolha da loja virtual em que fará suas compras. O Extra.com, principal bandeira do grupo Pão de Açúcar na internet, com faturamento de R$ 218 milhões, detém apenas 3% do mercado e está atrás do Comprasfacil.com, loja online do pouco conhecido grupo carioca Hermes, especializado em venda por catálogo.

Confira o ranking brasileiro:

1º – B2W (Submarino e Americanas.com)

2º – MagazineLuiza.com

3º – Comprafacil.com

4º – PontoFrio.com

5º – Extra.com

Be Sociable, Share!

Deixe uma resposta